terça-feira, 25 de setembro de 2012

Desfile Barra do Garças


























Por um desfile verdadeiramente show



Dia 15 setembro Barra do Garças completou 64 anos de emancipação, e como um presente aos barra-garcenses e as pessoas que aqui moram aconteceu aquele tradicional Desfile Cívico “matinal” na Avenida Ministro João Alberto. Digno, não? Mas, “cá entre nós”, não há muitos eventos nesta magnitude artística e cênica na cidade e por esse motivo, pontuo: não é digno, é um caso de necessidade cultural. Mas, continuando... O desfile ocasionou, obviamente, como todos os anos, mobilização das escolas e creches municipais, dos poucos grupos artísticos, esportivos, religiosos e até representantes indígenas para fazer bonito na avenida.
O tema geral deste ano, 2012, foi “Música: uma linguagem universal”, e as escolas e creches municipais apresentaram na avenida obras musicais escolhidas por elas, falando de sua letra, sua composição e compositor, aspectos históricos, enfim, as faces de uma música. Quanto ao investimento financeiro a Prefeitura da cidade deu um orçamento para produção, e há um detalhe importante aqui: tecidos, aviamentos, mão-de-obra, marcenaria, praticamente não há na cidade para estes fins, um evento de massa e com expressão puramente artística e visual. Sendo poucas lojas e poucos produtos no mercado municipal, tudo se torna caro e  dentro deste contexto, encontramos as  diretoras e coordenadoras que fazem milagres para produzir o Desfile.  A verba deve ser bem planejada para conseguir produzir fantasias, carros pomposos e apresentáveis. Tanto é que professores, e até mesmo a equipe de limpeza, cozinheiras, alguns pais e  alunos se “viram nos 30” para dar conta de confeccionar as roupas, carros alegóricos, arranjos, ensaiar as coreografias, entre outros detalhes que fazem parte do Espetáculo. Tudo isso dentro das possibilidades comerciais e logística que Barra do Garças proporciona.
Mas, mesmo diante do citado, tiro o chapéu para a criatividade que tem rolado solta no Desfile, e fico feliz pelos avanços. O desfile foi lindo e com uma estrutura (logística) aparentemente satisfatória. Falhas? sim acontecem, e por ser um evento que vem sendo realizado há algum tempo, elas praticamente não deveriam existir, ou que não se repetisse os mesmos erros. Por exemplo, de acordo com o tema as escolas montam seus desfiles e necessitam fazer evoluções com danças e encenações na avenida para apresentar ao público o que lhe fora proposto. Mas, para tal é necessário certo tempo e fluxo de descida na avenida. Não há como correr e fazer este trabalho cênico. A sugestão seria: o Desfile do dia 7 de Setembro deveria ser destinado aos Militares, Corpo de Bombeiros, enfim, restando o dia 15 de Setembro apenas aos grupos Artísticos, as Escolas e Creches, com isso desafogando o transito de pessoas e restando tempo para que estes grupos mostrem, sem correr, os esforços de alguns meses de trabalho. Outra sugestão seria repensar o horário desse evento.
É importante frisar aqui que mesmo com toda graça e beleza que foi o Desfile, muitas coisas materiais e até mesmo humanas apresentadas vem prontas e de fora da cidade, ou seja, o dinheiro não tem ficado por aqui, e por inúmeros motivos: comércio ainda é tímido, há pouca mão-de-obra, pouca qualificação de alguns profissionais que deveriam caminhar junto neste evento, como: marceneiros para confeccionar carros alegóricos, casas de decoração para pensar novas estruturas, aderecistas, figurinistas, coreógrafos e professores de teatro, artistas plásticos. Exageros a parte, mas é assim que enxergo este desfile e assim que com certeza acredito que ele quer se tornar.
Barra do Garças precisa de uma Secretaria Municipal de Cultura para sim fazer valer a população que tanto tem talento e almeja por arte. Reflexo disso são as crianças que aguardam ansiosas por esta data e apesar do calor, dos ensaios exaustivos, de algumas roupas e adereços que incomodam, do horário do desfile, querem estar na rua mostrando e fazendo arte. Isso faz para bem para alma, as torna ainda mais cidadãs.  Essas minhas aflições são aqui expostas no sentido de contribuir para avanços artísticos culturais na cidade. Não tiro o mérito da Secretaria de Educação que tem se esforçado muito até aqui, e a parabenizo também por isso. Entendo que é importante engajar os artistas nesta caminhada, e valorizá-los porque cultura, arte, nunca são demais.
Esta na hora da cidade caminhar nesta projeção, arte, cultura, teatro, dança, música, exposições. Projetos sociais com dança, música, teatro, formação de grupos e espetáculos em praças, e melhor utilização dos espaços culturais existentes. As fanfarras necessitam de melhorias na qualidade musical, performática. Não é digno ter instrumentos e não utilizá-los de maneira plena. Não é possível construir música de qualidade com alguns dias de ensaios e estudos. É necessário qualificar nossos artistas. Estamos próximos a Goiânia e Cuiabá, locais que trilham por isso e de lá devemos extrair e produzir aqui este pensamento de arte com fundamentação e crescimento artístico. Que essas palavras aqui esboçadas possam fazer sentido um dia. Assim espero.
Por
Luiz Carlos Bezerra

terça-feira, 11 de setembro de 2012

GREVE UFMT

Outros Capítulos...continua

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Festival Internacional de Dança de Goiás -PROGRAMAÇÃO MESA REDONDA, DEBATES E PALESTRAS



Programação de Mesa redonda




TEMA: “PANORAMA DA DANÇA NO BRASIL” Dia 8 de junho de 2012 às 11h
Mediadora: Mariza Estrella
Programação de debates

TEMA: “ESCOLAS DE DANÇA X ESCOLAS CURRÍCULARES”
Debatedor: José Carlos Vitalli
Dia 8 de junho de 2012 às 14h

TEMA: “DANÇA CONTEMPORÃNEA: DEFINIÇÃO E EVOLUÇÃO”
Debatedor: Luciana Caetano
Dia 9 de junho de 2012 às 14h
programação de palestras
TEMA: “UMA COMPANHIA DE SUCESSO INTERNACIONAL” Palestrante: São Paulo Cia de Dança


Dia 7 de junho de 2012 às 11h
TEMA: “MÁRIO VELOSO: UMA VIDA DEDICADA A ARTE” Palestrante: Mário Veloso


Dia 7 de junho de 2012 às 14h
TEMA: “A DANÇA CONTEMPORÃNEA NO SÉCULO XXI” Palestrante: Lu Spinelle


Dia 8 de junho de 2012 às 14h
TEMA: “A DANÇA NAS PERIFERIAS”



FONTE:  www.festivaldancagoias.com.br
Palestrante: Jane Ruth

 

sexta-feira, 2 de março de 2012

Goiânia vai sediar Festival Internacional de Dança em junho

Catherine Moraes

Para os amantes da dança, eis que chega a boa nova: um Festival Internacional de Dança vai ser sediado na capital entre os dias 6 e 10 de junho deste ano. O evento é organizado pela Dançarte Companhia de Dança com apoio do governo estadual e da Goiás Turismo. O lançamento do festival foi realizado na noite desta sexta-feira (10/2), no Palácio das Esmeraldas, em Goiânia.

O intuito é reunir cerca de quatro mil bailarinos em cinco dias que contarão com mostras competiva e paralela, mesas-redondas, seminários e feira da dança, que comercializará artigos da área como livros, revistas, roupas e sapatilhas no Centro Cultural Oscar Niemeyer (CCON). As informações detalhadas serão disponibilizadas no site exclusivo do festival que deve entrar no ar até o final de fevereiro.

De acordo com a diretora geral do festival, Gisela Vaz, os participantes da mostra competitiva deverão passar por avaliação por meio de vídeo. Quanto aos jurados, ela adianta que a ideia é que todos sejam internacionais para não terem contato com os bailarinos e tornar o festival o mais imparcial possível. O Dançarte vai participar apenas da organização, sem competir.

Participações internacionais
Entre as presenças confirmadas estão Cecília Kerche, primeira bailarina do Teatro Municipal do Rio de Janeiro e Rodrigo Pederneiras, coreógrafo do Grupo Corpo de Belo Horizonte. A abertura será feita pela São Paulo Companhia de Dança, que se apresentará pela primeira vez em Goiânia.
Também está confirmada a participação do grupo norte-americano Miami City Ballet e da Mimulus Companhia de Dança, de Minas Gerais, além de representantes de Cuba, Argentina, Chile, Estados Unidos e França.

Ideia
Ariadna Vaz, diretora financeira do evento, explica que o projeto do festival surgiu em agosto do ano passado, por meio da diretoria de Infraestrutura e Operações Turísticas da Goiás Turismo. Ela afirma que o intuito é fazer com que o festival passe a integrar o calendário anual de eventos culturais do Estado. “Será um intercâmbio muito importante, porque vamos divulgar Goiás e, ao mesmo tempo, trazer toda expressão de dança para o Estado.”

Clube da dança
Na ocasião, será lançado ainda o cartão Clube da Dança. Segunda Gisela, o cartão irá proporcionar descontos em eventos de dança assim como em lojas especializadas. “A ideia é pagar uma anuidade e ter direito a divulgar eventos, serviços e tornar o meio mais popular, centralizado”, conclui.